10 de dez de 2007

O CORREDOR

Corra rapaz! E ele correu, sem olhar para os lados, não acreditava no destino. O caminho se faz ao caminhar, vive-se a vida correndo. Ele correu, passadas curtas e ágeis no início, ritmo cadenciado depois, pés cansados, e acostumados, alguns anos mais tarde. Sim, ele correu, pisou de leve o chão de vilarejos, atravessou cidades, venceu metrópoles. Deixou bebês para trás, contemplou brevemente a face incompleta das crianças, cumprimentou ofegante os homens, declarou-se rapidamente para as mulheres.
Assim como a ciência, ele correu, sentiu o vento esparramar seus cabelos, abandonou seus medos pelo caminho. Nunca refletiu, sempre lembrou de seguir adiante, afinal, o fim aguardava, imóvel, sua chegada. Ele correu, aprendeu o significado da determinação, adquiriu resistência e sabedoria. Admirou a capa de incontáveis livros, leu as primeiras páginas de alguns, não terminou sequer um, preferiu distribuí-los a jovens universitários.
Não parou para ver o tempo passar, ele correu contra o tempo. Seu relógio subitamente parou, a bússola jamais funcionou, faltava-lhe o norte. Ele correu, para que serviam as pernas se não para correr? Qual a sina do corpo se não se deteriorar? Munido de lógica e impulsividade ele correu, seguiu a ordem, correu os riscos, sobre os riscos amarelos da estrada. Quando menos esperava, sentiu um forte cansaço, não conseguiu mais, finalmente parou, e nesse exato instante ouviu: Volta rapaz! E ele morreu, sem olhar para trás.

4 comentários:

Carla disse...

fico feliz que tenha feito um blog para se expressar algumas vezes.
até porque, você escreve muito bem e quase sempre tem ótimos argumentos e pensamentos.
beijos

Fani disse...

Texto para pensar einn, para parar e pensar, quem não quer crescer sempre, andar e andar apenas para frente, mas o passado nos diz muita coisa, de onde nós viemos principalmente. É isso ai Marcelo, boa idéia essa mesmo. Tu é bom nisso ai.
Valeu.

Babi disse...

correr é uma das maneiras de não olhar pro lado, não precisar perceber a realidade nem sempre satisfatória das coisas "caminho mais curto" nas palavras de Gessinger. Ainda não esqueci que te devo uma resposta daquele e-mail mas ando correndo hehehe. =D
adorei o texto, eles estão amadurecendo contigo.
bjao
Babi

C l á u . d i a° disse...

Sem nem perguntar o porquê... Sem nem pensar se vale a pena correr... Talvez pelo fato de que perguntar, pensar, argumentar seja doloroso muitas vezes...

São muitos vivendo realidades irreais... Encenações da própria vida...

Congratulations, meu caro!
Escreves muito bem, já te disse isso...
;)