7 de jan de 2008

VASTIDÃO E DETALHES

Do alto da montanha pode-se ver toda uma pequena cidade, crivada de casas coloridas e árvores jovens. Às dezoito e cinqüenta, centenas de estudantes esvaziam o prédio da escola e espalham-se pelas ruas. As crianças formam grupos e colorem as ruas cinzentas enquanto seguem para suas casas, os casais de namorados adolescentes rumam abraçados para a praça. Aos poucos a noite se aproxima, afugentando alguns casais das ruas, convidando os jovens a aproveitar a atraente escuridão.

Os faróis dos carros, o néon das lojas, a luz amarelada dos postes. Essas pretensiosas imitações de dia fazem a cidade reluzir, como um imenso vaga-lume pousado na planície. Mas, lá do alto da montanha, não é possível enxergar exatamente o que cada um faz, não há como ouvir sobre o que estão conversando, que música os caras estão ouvindo, como é a maquiagem das meninas. Não há como saber os detalhes quando se está tão alto, quando se chega a esta conclusão descer se torna inevitável...

Já é possível ver os primeiros raios de sol na cidade. Um bêbado de barba rala e cabelo desgrenhado cambaleia pela praça. Alguns meninos, de uniforme e mochila nas costas, não tiram os olhos das fotos de mulheres nuas escondidas dentro do livro de geografia. Um carro todo rebocado e velho passa zunindo, levantando poeira e fazendo as folhas rodopiarem. Os cortes de cabelo das pessoas, as expressões de seus rostos, as flores da praça, é tudo atraente, esses detalhes são interessantes. Estranho, mas parece tudo tão diferente agora, será que algo mudou? Só vendo bem de cima para saber.

2 comentários:

Anônimo disse...

Vatidão e detalhes....sabe que eu sou do meio-termo. To aqui conferindo teus últimos dilemas e garimpando enigmas hehe
bjs
Babi

Anônimo disse...

Pornografia e livros de Geografia... hehehe
Isso me leva de volta a bons tempos...!!! hahahaha
Falou!!!
Lucas Stahl Schneider